14 de setembro de 2021

Comunidade Yuba em quadrinhos – 1 de 3

No mês passado o Sesc Birigui me convidou para participar do “Circuito Sesc de Artes”, uma ação que acontece em todas as unidades e apresenta a arte nos mais diversos seguimentos. No meu caso, claro, envolve quadrinhos.

A proposta era jogar um olhar para a comunidade Yuba, localizada no interior paulista, na cidade de Mirandópolis.

Até então eu não sabia bem como era essa comunidade, mas bastou pesquisar uns dois links para entender o motivo do Sesc ter escolhido ela para a homenagem e me empolgar demais com a ideia de participar daquilo.

Yuba é uma comunidade agrícola fundada em 1935 por imigrantes japoneses. O fundador, Isamu Yuba, estabeleceu três pilares fundamentais: Reza, agricultura e arte.

A reza não tem relação direta com uma religião em si, é mais um sentimento de agradecimento e pertencimento. A agricultura não é vista apenas como fonte de renda, o contato com a terra é quase uma filosofia de vida para eles. A relação com a arte é muito bacana. O fundador, desde o início, se preocupou em ter a arte presente no dia a dia da comunidade. Um alimento para a alma, uma forma de cultivar a sensibilidade de enxergar as nuances da vida.

Minha tarefa era simples, sintetizar três momentos da comunidade no formato de tiras:

O começo;

A relação com a agricultura;

A relação com a arte.

De cara pensei em uma linha mais poética, algo parecido com um “(SIC)”, explorar os elementos narrativos, mesmo em um espaço muito pequeno.

A primeira tira, a do início da comunidade, já carreguei na poesia. Na minha ótica inicial e de acordo com tudo que li, me marcou a preservação de valores japoneses dentro da comunidade. A língua oficial da comunidade é o japonês, as crianças só aprendem português para valer depois que entram na fase escolar. Tem uma biblioteca com milhares de títulos em japonês… Fiz então algo remetendo a essa simbologia.

A tira brinca com a figura de linguagem, mostra que depois que Isamu saiu do Japão, o Japão cresceu dentro dele… Saindo em forma de comunidade. Gostei demais do resultado. Porém, ela acabou não sendo aprovada.

Ao apresentar a HQ ao pessoal da comunidade a resposta veio em forma de estranhamento. Algo não encaixava, sentia que a própria comunidade não se via muito ali naquela narrativa.

Tentei entender porque uma comunidade que tem a língua japonesa como oficial estranhou essa relação. Aí resolvi me aproximar mais, ouvir o que eles tinham para falar. Existe, de fato, uma simbologia forte com o Japão, mas talvez não fosse o que chamamos de "ponto chave" das motivações do fundador e de como a comunidade se enxerga. Uma frase de um dos moradores ficou na minha cabeça “O fundador saiu do Japão em busca de um sonho, fundar uma comunidade agrícola com base nas ideias de Tolstói”.

Confesso que, até então, via Tolstói mais como romancista russo mesmo, não como um ideário de comunidade. Pesquisei um pouco mais e fiquei sabendo sobre as escolas agrícolas fundadas por Tolstói. Um modelo de aprendizado que difundia um pensamento libertário. A participação devia ser espontânea, livre de coerção e valorizando os saberes individuais e seus interesses. Além de noções de uma comunidade com pensamento livre, igualitária e que questiona a ideia de propriedade privada.

Tolstói abandonou a igreja ortodoxa por considerar contraditório aquilo que se prega e aquilo que se faz. Considerava os camponeses a classe que mais se aproximava de Deus. Alguns estudiosos classificavam seu pensamento como anarquista, o que ele não gostava muito, pois achava que remetia à violência (mas também não refutava), ele preferia classificar esse modo de vida como a de um “Cristão Literal”.

Vi muito sentido nisso tudo ao pensar em Yuba. Até a questão da reza sem o apego a uma religião específica parecia se encaixar. Percebi um sentimento de valorização, orgulho e gratidão perante a comunidade. Até entrei na questão político social, se eles se viam enquadrados em algum modelo específico ou coisa assim, mas a verdade é que não me pareceu se importarem muito com isso. Nas palavras de um dos moradores:

"Acordar cedo, trabalhar ou estudar, almoçar e jantar todos juntos. De noite, cada dia da semana tem uma atividade (coral, dança, poesia etc). Domingo é dia de descansar e fazer o que quiser. Se isso é libertário ou não...a maioria não pensa nisso”.

Depois disso tudo achei que valeria muito a pena jogar esse outro olhar na primeira tira. Entendi que o Japão é, sim, uma referência forte ali dentro, mas o sentimento de pertencimento à comunidade, o pensamento coletivo, livre do peso da escalada pelo status social, a auto sustentação (90% do que é consumido é produzido lá mesmo) , são valores tão importantes quanto suas raízes no oriente.

Uma experiência muito enriquecedora. Mesmo gostando muito da primeira tira, e ainda achando que ela simboliza bem o sentimento de preservar parte da cultura japonesa dentro da comunidade, também fiquei muito contente com a vivência proporcionada pela troca de informações para entender melhor como a própria comunidade se vê. Uma das minhas preocupações era fazer um trabalho honesto com esses sentimentos. Gostei bastante da nova versão.

Diante desse exercício de escuta, um momento muito gratificante foi quando Isamu, representante da comunidade com quem eu mais troquei informações, me repassou a seguinte mensagem de um dos moradoras de Yuba:

"すばらしいねこのilustradorさんの人の話に向き合う姿勢には感動した

Diz que está emocionado pela postura que você teve para nos ouvir e chegar até aqui.”

Agradeço a Bárbara, do Sesc Birigui, pela confiança e pela oportunidade de vivenciar esse processo e a todos da comunidade Yuba, em especial o Isamu, pela paciência e rica troca de experiências.

As tiras serão publicadas nos dias 13, 14 e 15 de setembro de 2021 no Instagram do Sesc Birigui @sescbirigui.

Segue tira oficial, publicada no perfil do Sesc Birigui.

Depois comentarei o processo das outras duas por aqui também. :)