29 de abril de 2022

A Coisa – um pequeno conto gráfico

Uma das recompensas para quem participou da campanha do Catarse para o livro A Coisa foi receber uma mini HQ impressa. A HQ tem um formato conhecido para quem acompanha o meu trabalho, pois segue os padrões da série de contos gráficos "(SIC)" que publiquei por um tempo e já rendeu três livros. A Coisa é uma sensação, algo presente que a gente não sabe muito bem explicar o que é, achei que cabia muito bem reproduzir isso em um formato de um mini conto gráfico e que, mesmo sendo indesejada, a gente ainda consegue conviver, de um jeito ou de outro, com A Coisa.

Se quiser conhecer o livro A Coisa, ou a série "(SIC)", pode acessar esses links: LOJA ORLANDELI, AMAZON, COMIX

20 de abril de 2022

Na minha cabeça mora um pequeno Angeli

Alguns artistas passam a vida correndo na frente. Saem em disparada e o resto que lute para tentar, pelo menos, não perder eles de vista. São a referência, aqueles que ditam o caminho de quem vem atrás. Angeli é um desses. Sinceramente, não tivesse conhecido a Chiclete com Banana lá nos anos oitenta eu nem sei se estaria aqui fazendo o que faço hoje. Aquilo me contaminou de uma forma tão intensa que, de uma hora para outra, ler já não era mais suficiente, queria fazer parte daquilo. Criava histórias em um caderno, que eram lidas por amigos de escola, de mão em mão. Não pensava em sucesso, conquistar isso ou aquilo… Só queria fazer parte daquele grupo de pessoas que contam histórias em quadrinhos.

Não demorou e, aí sim, comecei a publicar profissionalmente. Fazia tiras para um jornal. Humor de comportamento, claro. Igual a que lia na Chiclete. Desconhecendo qualquer fundamento técnico ou coisa do tipo para saber se o que eu fazia era bom, estabeleci um critério pessoal de avaliação. Perguntava pra mim mesmo:

- Daria para publicar na Chiclete com Banana?

Algumas vezes achava a tira boba demais (não era digna da Chiclete), aí tentava e tentava… Até chegar em algo minimamente razoável e que eu conseguia, pelo menos em meus sonhos, ver ocupando espaço nas páginas da revista. O critério funcionou, já que publiquei a tira durante mais de vinte anos.


Quando comecei a fazer charges não foi diferente. Angeli colecionou dezenas de troféus como melhor chargista, e não é por menos. Ele é simplesmente genial (nisso também). Fazia o tipo de charge que não se presta ao ridículo de ser só engraçadinha. Porém, também não se limitava a crítica pela crítica. Tinha sempre uma sacada inteligente, um desenho matador…Muitas vezes eu lia uma notícia e surgia uma piadinha óbvia na cabeça. Fazia o esboço, olhava o conjunto... Tudo certinho e engraçadinho. Certeza que o editor iria aprovar e os leitores iriam rir… Aí lembrava das charges do Angeli. Dava até um pouco de vergonha. Como se um pequeno Angeli começasse a falar na minha cabeça:

- É isso mesmo? Sem crítica, sem porrada… O cara é um fila da puta e você vai publicar só uma piadinha besta sobre o assunto?

Já descartei várias ideias por conta disso. Me obrigava a espremer a cabeça e ver se conseguia cavar mais fundo. Nem sempre saia algo muito melhor que a piadinha, mas em outras valeu demais a pena.Aí vieram os quadrinhos. Eu, com meu traço cartunesco, precisava acertar o meu desenho para histórias mais longas. Só fazia bonequinho narigudo, não servia para o que tinha em mente. Aí, mais uma vez, vem o Angeli. Que também é da casta dos fazedores de bonecos narigudos, mas desenvolveu um traço sujo, cômico e, ao mesmo tempo, dramático. Foi, de novo, uma das minhas principais referências gráficas. “Como o Angeli desenharia isso?” era uma pergunta recorrente.

A essa altura do campeonato o pequeno Angeli que mora na minha cabeça  já era quase um editor pessoal. Não perdoava.

 - Tudo isso é medo? Deixa de ser bundão. Bota pra foder nesse negócio aí, pô! 

E lá ia eu tentar cavar um pouco mais, chegar um pouco mais longe na solução gráfica, na ideia, na narrativa…


Hoje fiquei sabendo que o Angeli encerrou sua carreira de cartunista por conta de uma doença. Afasia. A mesma do Bruce Willis. Foda!Mesmo o Angeli tendo feito pelo quadrinho nacional mais do que 90% de todos os quadrinistas juntos, mesmo se a gente viver até os noventa e com a saúde intacta, não deixa de ser uma notícia triste.


Obrigado, Angeli.

Todos nós desenhamos e criamos um pouco melhor só por ter você sempre na nossa frente.

18 de março de 2022

A Coisa: da concepção à edição impressa

Ontem, dia 17 de março, estive no Sesc Rio Preto para realizar a oficina "A Coisa: da concepção à edição impressa", que teve como principal objetivo mostrar o processo envolvido na produção de uma história em quadrinhos, utilizando como referência o meu mais recente trabalho, o livro A Coisa.

A vivência foi gratificante em vários sentidos, uma porque é sempre bom falar sobre quadrinhos, discutir a parte técnica envolvida e o meu jeito pessoal de pensar uma história, outra porque também foi uma oportunidade de, mais uma vez, mergulhar no tema do livro, que trata de sensações e inquietações que fazem parte da vida de qualquer pessoa. Vamos percebendo que nada é absolutamente pessoal, em certa medida todos experimentamos sensações parecidas que ecoam dentro da nossa individualidade. Todos tem o seu próprio jeito de enxergar “A Coisa". Essa é a magia das histórias, sua capacidade de se conectar, mexer e transformar o universo que existe dentro de cada leitor.

O livro A Coisa foi um dos ganhadores do ProAC-SP de 2020, esse encontro fez parte das ações promovidas graças ao apoio do edital.

Obrigado ao Sesc Rio Preto por fornecer as instalações para essa vivência e um agradecimento especial a todos que participaram. Foi ótimo passar esse tempo com vocês.

16 de março de 2022

Orlandeli fala sobre quadrinhos no Sesc Rio Preto

Nessa quinta-feira, dia 17 de março, Orlandeli fala sobre o processo de criação da história em quadrinhos "A Coisa" no Sesc Rio Preto.

A novela gráfica "A Coisa" é o mais recente trabalho do autor e foi um dos ganhadores do Proac, programa de fomento cultural do estado de São Paulo.

O bate papo procura mostrar as várias fases para a elaboração de uma história em quadrinhos.

  • Apresentação da ideia inicial
  • Esboços em busca da identidade gráfica
  • Uso de cores como narrativa
  • Projeto gráfico
  • Estruturação de uma narrativa longa

O evento é gratuito e começa às 19h30.

Vagas limitadas.

INFORMAÇÕES:
(17) 3216 9300

Saiba mais sobre a história em quadrinhos "A Coisa" conferindo essa entrevista do Orlandeli. ACESSE O LINK.

20 de dezembro de 2021

Entrevista com Orlandeli sobre “A Coisa”

No último domingo, dia 19 de dezembro, a revista Bem-Estar, do grupo Diário de Comunicação, publicou uma entrevista com o Orlandeli falando sobre o seu novo livro, A Coisa.

Quem conduziu a entrevista foi a jornalista Rita Fernandes. Acostumado a aparecer nas páginas dos cadernos de Cultura, dessa vez Orlandeli cedeu a entrevista para uma revista com um foco mais voltado à saúde. O conversa girou em torno do tema das doenças emocionais e as inquietações que perseguem aqueles que, por algum motivo, sofrem desse mal, como é o caso de Astolfo, personagem do livro A Coisa.

Para conferir a entrevista completa basta acessar ESSE LINK

O livro A Coisa continua em campanha no Catarse e já bateu 90% da meta inicial. Conheça e apoie o projeto acessando a página da campanha www.catarse.me/acoisa

6 de dezembro de 2021

A Coisa – Nova HQ do Orlandeli já está em pré-venda

Em sua nova HQ, Orlandeli aborda o acaso e suas consequências. 

Depois de receber uma notícia indesejada, Astolfo passa a ser perseguido por uma criatura grotesca e, ao mesmo tempo, apática.

Astolfo vê A Coisa entrar em sua vida de forma quase onipresente. Uma sensação perturbadora que invade cada brecha de privacidade de uma vida que busca uma direção para seguir adiante.

Isso vai deixando Astolfo confuso, cansado, irritado… Ninguém quer um encontro com o indesejável. Mas algumas companhias a gente não escolhe.

Orlandeli é um autor conhecido por obras que transitam por temas existenciais, uma viagem interna em busca de elaborar conflitos e questionamentos da experiência que é estar vivo.

Nessa Graphic Novel o autor personifica e da cara às sensações que surgem quando você se dá conta que em seu mundo as coisas não saíram como o planejado.

Com um texto ágil e uma narrativa gráfica divertida, A Coisa busca um olhar honesto diante do difícil exercício que é viver e conviver com os amores e as dores da vida.

O projeto foi um dos ganhadores do Proac, programa de fomento à cultura do Estado de São Paulo, do ano de 2020.

O LIVRO

O livro tem formato 20cm x 20cm , 112 páginas coloridas e capa dura e sai pelo selo Gambatte

PRÉ-VENDA

A pré-venda começou dia 04/12 e será feita através do Catarse, uma das principais plataformas de financiamento coletivo do país com credibilidade e um grande potencial em unir obras e leitores.

Quem comprar durante a pré-venda ganha um desconto sobre o preço de capa além de poder optar por diversas recompensas que inclui sketchs, desenho original, cards e outros título do Orlandeli.

Entre no link, saiba mais sobre a proposta do livro e PARTICIPE!

www.catarse.me/acoisa

24 de novembro de 2021

Semana Black Friday

Começa nesta quinta-feira, dia 25, a nossa Semana Black Friday.

A ideia era criar uma oportunidade única para quem acompanha nosso trabalho e deseja completar a coleção ou presentear alguém. Algo realmente diferenciado. Todo mundo sabe que não é nada fácil para quem trabalha com produção autoral e independente conseguir entrar no esquema de graaaandes ofertas, mas a gente dá um jeito. Fizemos um malabarismo aqui e vamos dar 50% de desconto em alguns títulos entre os dias 25 e 28 de novembro. Para fechar a conta precisamos criar algumas condições:

- O desconto especial será em UM TÍTULO por dia. Durante 24 horas esse título estará na loja com 50% OFF. Dá uma olhada na imagem da postagem e veja quando cada dia estará em oferta.

- ESTOQUE LIMITADO. Disponibilizaremos um número específico de exemplares com esse desconto (30 exemplares de cada título - TOTAL de 120 exemplares), se esgotar antes do prazo o valor do livro volta ao preço normal da loja. Portanto, FIQUE ATENTO!

Resumindo, a oportunidade está dada, mas tem que correr para aproveitar. Se quiser aproveitar para dar de presente e pedir dedicatória, só avisar no campo de observações que o livro irá autografado pelo ORLANDELI. (claro, a dedicatória pode ser em seu nome também :))

Mais uma coisa. A promoção de FRETE GRÁTIS continua valendo mesmo para os livros da Black Friday, ou seja, se levar mais qualquer outro título da loja, o envio é por nossa conta.

Então é isso. Começa amanhã, quinta-feira dia 25/11, com o livro Os olhos de Barthô, livro finalista no Prêmio Jabuti de 2020. Acesse a loja www.lojaorlandeli.com.br e boas compras.

1 de novembro de 2021

Novos Stickers do O mundo de Yang

Criamos mais cinco figurinhas do universo do O mundo de Yang para você interagir com seus amigos pelo Whatsapp ou nas redes sociais. Para facilitar, reunimos as figurinhas antigas com as novas e colocamos tudo em um só pacote. Agora são 15 figurinhas cheias de expressividade com os personagens da série..

A instalação é super simples, você vai precisar apenas do app Sticker.ly . Clique no link abaixo usando o seu aparelho celular e, rapidinho, as figurinhas já estarão na biblioteca do Whats.

https://sticker.ly/s/3XAMQF

Se preferir, também pode baixar os arquivos como imagem. As 15 imagens estão reunidas em uma pasta no google drive no formato PNG, já com fundo recortado. Só acessar e baixar.

https://drive.google.com/drive/folders/1XoHzwd7La8rY58-xjMPWMhZIJpa6IAoE?usp=sharing

A criação das cinco novas figurinhas faz parte da recompensa de meta estendida da campanha do livro O Mundo de Yang - Dois Cortes, que realizamos recentemente pelo Catarse.

Se você ainda não conhece o livro, pode conferir ele AQUI.

20 de setembro de 2021

Comunidade Yuba em quadrinhos – 3 de 3

Última tira da série sobre a comunidade Yuba que fez parte do “Circuito Sesc de Artes”, com iniciativa do Sesc Birigui.

Uma das coisas que mais me fascinou durante o processo de conhecer um pouco mais sobre a Yuba é essa relação com a arte. Uma relação não apenas contemplativa, mas de ser algo realmente fundamental para vida da própria comunidade.

O fundador, Isamu Yuba, desde o início entendeu que a arte deveria estar presente, fez um esforço para trazer artistas para morar na comunidade. Entre eles Hisao Ohara, escultor que viveu na comunidade até falecer, e sua esposa Akiko Ohara, bailarina responsável por iniciar uma fase cultural importante com a construção do Teatro Yuba. Essas apresentações levaram a arte de Yuba para vários cantos do país e até fora dele.

A arte é presente desde cedo na vida dos moradores. Instrumentos musicais, dança, coral, poesia… Fazem parte da comunidade com a mesma naturalidade que instrumentos agrícolas, o cultivo da terra e outras tarefas do dia a dia. Um lugar onde é possível ver um trator e um piano de cauda dividindo espaço no mesmo pavilhão.

A própria arte presente em Yuba acabou servindo de elemento para a construção da HQ. Nas pesquisas acabei descobrindo o trabalho da fotógrafa Lucille Kanzawa, que conheceu Yuba anda criança e decidiu registrar em livro esse olhar. “Yuba" é o resultado de sete anos de documentação fotográfica realizado na comunidade. O primeiro quadro é uma releitura de uma das fotos que achei mais impressionante, traduz em imagem muito do que senti dessa relação da arte que se mistura com a própria vida. 

Foto de Lucille Kanzawa que integra o livro "Yuba".

A parte da dança é uma menção a uma apresentação Butô de Yoshito Ohno que aconteceu em Yuba em um reencontro com Akiko Ohara. Por último, uma referência às esculturas em granito de Hisao Ohara, expostas em um jardim ao ar livre.

Foi realmente gratificante participar desse trabalho e conhecer melhor essa comunidade.

Em um mundo cada vez mais acelerado onde tudo é feito de forma prática e sem profundidade, Yuba acaba sendo uma forma de lembrar que viver é sentir, e só sente àquele que se coloca presente diante dos momentos que a vida oferece.

:)