17 de julho de 2022

A celebração da Cultura Pop no CCXP AWARDS

Na última sexta, dia 15, estive na cerimônia de premiação do CCXP AWARDS, que aconteceu em grande estilo na Sala São Paulo, na capital.

Chegando na cerimônia com a minha companheira de sempre, Cláudia Orlandeli

Já esperava um cuidado diferenciado para o evento mas os organizadores conseguiram superar todas as minhas expectativas. Foi uma grande festa, uma verdadeira celebração à cultura pop e a todos aqueles que, mais do que produzir conteúdo, vivenciam esse universo de forma intensa e apaixonada.

Quadrinhos, cinema, séries, literatura, games, podcast… A união de vários universos em um só.

Se participar do CCXP AWARDS como finalista em quadrinhos já era motivo de alegria, imagine como fiquei quando soube que fui um dos premiados da noite. Incrível.

O belíssimo troféu e a obra, a Graphic MSP Chico Bento - Verdade, trabalho que me deu a premiação na categoria Melhor arte-finalista

Estava concorrendo em três categorias, Melhor Desenhista, Melhor Colorista e Melhor Arte-finalista, e foi nessa última que um Dragãozinho saiu voando de dentro do ovo dourado e iluminou o resto da noite. Aliás, que noite.

Um prazer, depois de tanto tempo, rever amigos de longa data e também conhecer pessoalmente outros tantos que já acompanho na distância imposta pela janela das redes sociais e publicações.

CCXP AWARDS teve uma primeira edição memorável, parabéns Ivan Costa, Marcelo Forlani e todos os envolvidos em jogar esse holofote na produção e nos nomes que fazem a cultura pop nesse país.

Foi incrível.

Junto com Kash Fire, finalista em Melhor roteirista por Espetaculare Meneghetti, Thiago do AfroNerd e a querida Cora Ottoni, que acaba de virar minha colega de Graphic MSP com a personagem Denise. Trava na pose.
Mais uma vez a Cora, o amigo de longa data Raphael Fernandes e a Cláudia
Com o grande editor, jornalista especializado em quadrinhos, homenageado da noite como Profissional do ano e, acima de tudo, amigo Sidney Gusman
Com o amigo e quadrinista Camilo Solano, finalista em Melhor desenhista
Com o grande Gidalti Jr., ganhador de Melhor álbum com Brega Store e dono de um dos discursos mais emocionantes da noite.
Com o grande Ivan Costa, uma das mentes que idealizaram e nos proporcionaram o CCXP AWARDS.
Sidney Gusman e eu ao lado dos queridos Mariana Viana e Pedro Ferreira, presidentes do júri na categoria Quadrinhos e responsáveis pelo canal Fora do Plástico

26 de maio de 2022

Desenhe o Yang no seu traço – #desenhandoyang

Já faz um tempinho que fizemos o último “Desenhe o Yang no seu traço”. Sempre bacana ver a variedade de Yangs que aparecem quando a gente faz essa brincadeira.

Pois bem, então vamos, mais uma vez, ver como vocês desenhariam o Yang no próprio estilo.

Pode reproduzir essa cena da postagem ou bolar qualquer outra dentro do universo do Yang. Para deixar a coisa mais interessante, quem topar participar da brincadeira pode ganhar um kit muito legal.

Serão dois kits contendo:

- Livro - O mundo de Yang - Dois Cortes

- Livro - A Coisa

- Print do Yang assinado

Para participar do sorteio você precisa ter uma conta no Instagram, publicar sua versão do Yang e marcar com a hashtag #desenhandoyang

TODOS que participarem e publicarem um desenho do Yang já estarão concorrendo . Não importa se você é profissional, se só gosta de desenhar ou simplesmente é fã da série. Publique o seu desenho na sua conta do insta com a hashtag #desenhandoyang e comece a torcer

O segundo kit não é sorteio. Vamos escolher, através de um júri de profissionais da área de quadrinhos, qual a melhor versão do Yang. O vencedor leva o kit. Segundo e terceiro colocados leva o Yang Dois Cortes + Print assinado. Os critérios são: Qualidade técnica, criatividade e sensibilidade para colocar a essência do personagem em seu desenho.

Os prêmios serão enviados por nossa conta (válido para território nacional).

Clique AQUI e veja como foi o último concurso e os ganhadores.

OBS: MUITO IMPORTANTE - Não deixe de colocar a hashtag #desenhandoyang na postagem, só assim vamos conseguir reunir os desenhos para o concurso e o sorteio. A publicação deve ser no instagram.

O resultado será na primeira semana de julho, até lá DESENHE O YANG NO SEU TRAÇO :)

#omundodeyang #orlandeli #drawthisinyourstyle 

3 de maio de 2022

Figurinhas da Nova Era – Migueleno

29 de abril de 2022

A Coisa – um pequeno conto gráfico

Uma das recompensas para quem participou da campanha do Catarse para o livro A Coisa foi receber uma mini HQ impressa. A HQ tem um formato conhecido para quem acompanha o meu trabalho, pois segue os padrões da série de contos gráficos "(SIC)" que publiquei por um tempo e já rendeu três livros. A Coisa é uma sensação, algo presente que a gente não sabe muito bem explicar o que é, achei que cabia muito bem reproduzir isso em um formato de um mini conto gráfico e que, mesmo sendo indesejada, a gente ainda consegue conviver, de um jeito ou de outro, com A Coisa.

Se quiser conhecer o livro A Coisa, ou a série "(SIC)", pode acessar esses links: LOJA ORLANDELI, AMAZON, COMIX

29 de abril de 2022

A simbologia em O mundo de Yang

Não é novidade pra ninguém que já leu algum livro da série O mundo de Yang que ela é recheada de referências e simbologias sobre a cultura oriental, entre outras coisas.

A proposta nunca foi ser um “manual” para ensinar isso ou aquilo, mas usar parte dessa conteúdo como "gatilho" para ilustrar pensamentos e  reflexões que fazem parte da história. Uma espécie de metáfora que que ajuda a expressar o raciocínio do que está sendo dito.

Desde a última edição, O mundo de Yang - Dois Cortes, eu resolvi escancarar um pouco mais isso e compartilhar com o leitor algumas curiosidades sobre a história que ele acabou de ler e sobre a série.

A seção “Reverberações” serve exatamente para isso, comento um pouco de como a história surgiu, os caminhos que ela tomou, elementos que aparecem e porque estão ali. Um deles são as “facas gêmeas” PA CHAN TOU. Desenho o Yang com elas desde o início, mas é a primeira vez que elas aparecem em uma história. São armas características com um estilo de kung fu chamado Wing Chun. Esse estilo tem raiz budista, além do uso como ferramenta de luta, a simbologia que elas representam acabam contribuindo bastante com a evolução do Yang na história.

Tem também o novo personagem, mestre Tay. A aparição dele é bem curiosa também e o visual é inspirado no “Tay” daqui de casa rsrsrs

Já estamos preparando mais curiosidades para o próximo número. Aguarde.

Conheça a série O mundo de Yang. Os livros você encontra em:

www.lojaorlandeli.com.br

www.amazon.com.br

www.comix.com.br

20 de abril de 2022

Na minha cabeça mora um pequeno Angeli

Alguns artistas passam a vida correndo na frente. Saem em disparada e o resto que lute para tentar, pelo menos, não perder eles de vista. São a referência, aqueles que ditam o caminho de quem vem atrás. Angeli é um desses. Sinceramente, não tivesse conhecido a Chiclete com Banana lá nos anos oitenta eu nem sei se estaria aqui fazendo o que faço hoje. Aquilo me contaminou de uma forma tão intensa que, de uma hora para outra, ler já não era mais suficiente, queria fazer parte daquilo. Criava histórias em um caderno, que eram lidas por amigos de escola, de mão em mão. Não pensava em sucesso, conquistar isso ou aquilo… Só queria fazer parte daquele grupo de pessoas que contam histórias em quadrinhos.

Não demorou e, aí sim, comecei a publicar profissionalmente. Fazia tiras para um jornal. Humor de comportamento, claro. Igual a que lia na Chiclete. Desconhecendo qualquer fundamento técnico ou coisa do tipo para saber se o que eu fazia era bom, estabeleci um critério pessoal de avaliação. Perguntava pra mim mesmo:

- Daria para publicar na Chiclete com Banana?

Algumas vezes achava a tira boba demais (não era digna da Chiclete), aí tentava e tentava… Até chegar em algo minimamente razoável e que eu conseguia, pelo menos em meus sonhos, ver ocupando espaço nas páginas da revista. O critério funcionou, já que publiquei a tira durante mais de vinte anos.


Quando comecei a fazer charges não foi diferente. Angeli colecionou dezenas de troféus como melhor chargista, e não é por menos. Ele é simplesmente genial (nisso também). Fazia o tipo de charge que não se presta ao ridículo de ser só engraçadinha. Porém, também não se limitava a crítica pela crítica. Tinha sempre uma sacada inteligente, um desenho matador…Muitas vezes eu lia uma notícia e surgia uma piadinha óbvia na cabeça. Fazia o esboço, olhava o conjunto... Tudo certinho e engraçadinho. Certeza que o editor iria aprovar e os leitores iriam rir… Aí lembrava das charges do Angeli. Dava até um pouco de vergonha. Como se um pequeno Angeli começasse a falar na minha cabeça:

- É isso mesmo? Sem crítica, sem porrada… O cara é um fila da puta e você vai publicar só uma piadinha besta sobre o assunto?

Já descartei várias ideias por conta disso. Me obrigava a espremer a cabeça e ver se conseguia cavar mais fundo. Nem sempre saia algo muito melhor que a piadinha, mas em outras valeu demais a pena.Aí vieram os quadrinhos. Eu, com meu traço cartunesco, precisava acertar o meu desenho para histórias mais longas. Só fazia bonequinho narigudo, não servia para o que tinha em mente. Aí, mais uma vez, vem o Angeli. Que também é da casta dos fazedores de bonecos narigudos, mas desenvolveu um traço sujo, cômico e, ao mesmo tempo, dramático. Foi, de novo, uma das minhas principais referências gráficas. “Como o Angeli desenharia isso?” era uma pergunta recorrente.

A essa altura do campeonato o pequeno Angeli que mora na minha cabeça  já era quase um editor pessoal. Não perdoava.

 - Tudo isso é medo? Deixa de ser bundão. Bota pra foder nesse negócio aí, pô! 

E lá ia eu tentar cavar um pouco mais, chegar um pouco mais longe na solução gráfica, na ideia, na narrativa…


Hoje fiquei sabendo que o Angeli encerrou sua carreira de cartunista por conta de uma doença. Afasia. A mesma do Bruce Willis. Foda!Mesmo o Angeli tendo feito pelo quadrinho nacional mais do que 90% de todos os quadrinistas juntos, mesmo se a gente viver até os noventa e com a saúde intacta, não deixa de ser uma notícia triste.


Obrigado, Angeli.

Todos nós desenhamos e criamos um pouco melhor só por ter você sempre na nossa frente.

18 de março de 2022

A Coisa: da concepção à edição impressa

Ontem, dia 17 de março, estive no Sesc Rio Preto para realizar a oficina "A Coisa: da concepção à edição impressa", que teve como principal objetivo mostrar o processo envolvido na produção de uma história em quadrinhos, utilizando como referência o meu mais recente trabalho, o livro A Coisa.

A vivência foi gratificante em vários sentidos, uma porque é sempre bom falar sobre quadrinhos, discutir a parte técnica envolvida e o meu jeito pessoal de pensar uma história, outra porque também foi uma oportunidade de, mais uma vez, mergulhar no tema do livro, que trata de sensações e inquietações que fazem parte da vida de qualquer pessoa. Vamos percebendo que nada é absolutamente pessoal, em certa medida todos experimentamos sensações parecidas que ecoam dentro da nossa individualidade. Todos tem o seu próprio jeito de enxergar “A Coisa". Essa é a magia das histórias, sua capacidade de se conectar, mexer e transformar o universo que existe dentro de cada leitor.

O livro A Coisa foi um dos ganhadores do ProAC-SP de 2020, esse encontro fez parte das ações promovidas graças ao apoio do edital.

Obrigado ao Sesc Rio Preto por fornecer as instalações para essa vivência e um agradecimento especial a todos que participaram. Foi ótimo passar esse tempo com vocês.

16 de março de 2022

Orlandeli fala sobre quadrinhos no Sesc Rio Preto

Nessa quinta-feira, dia 17 de março, Orlandeli fala sobre o processo de criação da história em quadrinhos "A Coisa" no Sesc Rio Preto.

A novela gráfica "A Coisa" é o mais recente trabalho do autor e foi um dos ganhadores do Proac, programa de fomento cultural do estado de São Paulo.

O bate papo procura mostrar as várias fases para a elaboração de uma história em quadrinhos.

  • Apresentação da ideia inicial
  • Esboços em busca da identidade gráfica
  • Uso de cores como narrativa
  • Projeto gráfico
  • Estruturação de uma narrativa longa

O evento é gratuito e começa às 19h30.

Vagas limitadas.

INFORMAÇÕES:
(17) 3216 9300

Saiba mais sobre a história em quadrinhos "A Coisa" conferindo essa entrevista do Orlandeli. ACESSE O LINK.

5 de março de 2022

“Mamãe Falei na Ucrânia

24 de fevereiro de 2022

Figurinhas da Nova Era – Batista